ASSOCIADOS
Adilson Luiz Garcez de Castro


Biografia:

Adilson Luiz Garcez de Castro, ou simplesmente Adilson Lucas Castro, nasceu no dia 14 de janeiro de 1961 na bela ilha de São Luis, também alcunhada (no bom sentido do termo) de Ilha do Amor, e que é a capital do Estado do Maranhão. Porem suas referências de vida não se dariam no seu local de nascimento. Sua família, embora majoritariamente constituídas de pessoas originais do Maranhão, já estava radicada há muitos anos no Rio de Janeiro.

Antes de prosseguir convém explicar a origem do seu pseudônimo - Lucas Castro - sob o qual, com este pseudônimo assinou e assina seus livros e sites de poesia (www.eporfalarpoesias.net) entre outras atividades plásticas e temporãs, que não são incluídas no seu currículo. Este nome vem da junção de duas partes do seu próprio nome - Lu de Luiz e Cas de Castro. Não foi adotado desde sempre mas nasceu do desejo de dar um nome diverso do que consta no seu registro civil e foi maturado entre 1995 e 1997 quando o adotou por completo.

A infância, no Rio de Janeiro foi muito feliz e de muita liberdade e ação, dividida plenamente com seu irmão Augusto Mariano Garcez de Castro três mais velho do que ele. Na escola nunca foi o que se diria de um aluno brilhante, porém tampouco se poderia chamá-lo de medíocre, o mais certo seria dizer que foi uma aluno dentro da média normal. Ele e seu irmão, parceiro de todas as horas, estudaram sempre na mesmas escolas, cada um em uma classe correspondente a idade de cada qual. Esta parceria escolar só seria desfeita quando do ingresso no curso superior, mas a parceria na vida nunca foi abalada.

Aos sete anos ganhou uma irmã, Cláudia Garcez de Castro. Embora carinhoso e atencioso com a maninha, a diferença de idade e de sexo não permitia o acompanhamento em todas as atividades.

Começou a escrever assiduamente aos 14 anos, lembra sempre que sua fonte de inspiração veio do filósofo Arthur Schopenhauer, talvez por isso nunca tenha abandonado o veio existencialista na sua estrada poética. Entre os 17 e 18 anos leu incansavelmente Fernando Pessoa e se deixou seduzir pela escrita do grande poeta português. Foi leitor atento também da portuguesa Florbela Espanca, do brasileiro Vinícius de Moraes e do argentino Jorge Luis Borges. Leitor ávido, não era a poesia seu gênero predileto, na verdade sempre teve pudor em ler poesias para não incorrer no erro de repetir os trejeitos e cacoetes dos poetas, queria uma poesia só sua.

Em 1995 veio morar no estado do Rio Grande do Sul, anos depois, com o incentivo de um amigo que lhe trazias livros e poesias passou a amar e admirar Mário Quintana.

A partir dos meados dos anos de 1990 criou inúmeros sites, todos com o mesmo nome do que ainda tem atualmente - www.eporfalarpoesia.net. Em 2012 lançou seu primeiros livro e como não podias ser diferente intitulou-o "E por falar poesias". O livro participou da 22ª Bienal Internacional do Livro juntamente com uma coletânea de vários autores. Em 2014 voltou a participar da 23ª Bienal do Livro com a obra "Faze no teu cantinho o teu poeminha", usando parte dos versos de Saudoso Mário Quintana: "Faze no teu cantinho o teu poeminha, esse absurdo de sempre existirem poetas, apesar de tudo, deve significar alguma coisa".


"Seleta Culturasl"

A Seleta Cultural Escritores LP-Books foi criada para celebrar a participação da Editora em mais uma Bienal de São Paulo, bem como para congraçamento dos melhores autores já publicados pela casa até o momento.
Com tema livre, cada texto representa um elemento da produção de cada autor, de suas tendências, de seus experimentos.
Nos tempos em que o mercado editorial borbulha e se maravilha com as novas opções de formatos digitais, o prazer e a beleza incomparáveis de fazer e participar de um livro ainda é concreto, é algo que não tem preço.

O Editor


"E por falar poesias..."

Um poeta, como a lua, tem fases, mas as fases de um poeta não são tão bem marcadas como as fazes lunares. Este livro representa uma faze muito longa pela qual passa o poeta, que registra o que lhe importa e diz o que acha necessário dizer.


"Faze no teu cantinho o teu poeminha"

"Faze no teu cantinho o teu poeminha" é o trecho de uma poesia do Grandioso e saudoso poeta Mário quintana. Não que o autor deseje se apropriar do poema deste consagrado escritor, de forma nanhuma, é que lendo essa poesia, cujo trecgo se encontra nas primeiras páginas deste volume, é possível entender esta obra - que não tem a pretensão de ser nenhum "Best seller", mas somente mostrar que este poeta menor segue o conselho daquele poeta maior, e mesmo sem saber porque, vai corriqueiramente ao seu cantinho para escrever seus poeminhas.


 
Associados
Proximos Eventos
Literarte © 2013
EtiServer